Postagens

UM DRINK CHAMADO DESTINO - CAPÍTULO III

Imagem
III
Nota sobre elas

Iolanda Garcia Gutierrez era uma mulher de muitas faces e facetas. Filha de um marinheiro mexicano que trabalhava em navios cargueiros e uma empregada doméstica brasileira que se conheceram em um domingo ensolarado na praia da Ribeira. Paixão à primeira vista e no mês de março do ano de 1987 nascia uma menina negra dos olhos com cor de vida, que se tornou a principal responsável por seu pai fixar residência na cidade de São Salvador da Bahia de Todos os Santos.

O nome foi escolhido pelo pai como uma forma de homenagear sua genitora. Mulher forte, de fibra que criou oito filhos em um bairro periférico da cidade de Guadalupe sem que nenhum deles desviassem do bom caminho. Iolanda cresceu em um lar de amor e harmonia. Sua mão parou de trabalhar fora depois que engravidou da sua segunda filha, não por imposição do marido que era um admirador de sua força de vontade, e sim por desejo de acompanhar o crescimento das crianças.

Iolanda e Silvia tinham dois anos de diferença,…

UM DRINK CHAMADO DESTINO - CAPÍTULO II

Imagem
II
Pretensões 

Iolanda e Maria Fernanda dançavam ao som deNo Ordinary Love – Sade. Os olhares permaneciam imóveis, parados um no outro. Ao contrário das mãos que ganhavam um pouco mais de liberdade para explorar de forma discreta os corpos.
- Está gostando da dança? __ A voz de Iolanda era tão envolvente que causava pequenas explosões de prazer na outra apenas por ouvi-la. - Uhum... __ Mordiscou o lábio. – E por mais incrível que possa parecer, eu ainda não pisei no teu pé! __ Sorriu. - Sou uma excelente condutora. __ Mostrou uma faceta brincalhona. - Sua modéstia me comove.
Iolanda nada respondeu. Ao invés de usar palavras, aproximou mais os corpos diminuindo o espaço de segurança entre elas. Sentiu o perfume da outra antes de sussurrar em tom de confidência.
- Posso apresentar-lhe minhas outras qualidades.
Maria Fernanda sentiu-se arrepiar. O ambiente parecia reduzir o espaço na mesma proporção que um crescente calor emanava dos corpos. A música findou-se e voltaram para a bancada do bar. Io…